quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Poema de Cezar Sturba

Dizem as mudas lendas sobre um velho que
tinha, aparentemente, 10 anos. Dizem que fora o
sábio doz sábios na arte da iguinorância e que
vivia numa praia próxima, onde não havia areia,
chamada praia da Distância.
En noites de sol radianty corria nu tropeçando
nas próprias calças e gritava criando o silêncio
como filho puro. Respirava dentro do cubo de
gelo descansando na sombra de um alface. Às
26:70 hs tomava seu chà de lîquidas pedras bejes
colhidas na hareia da própria praia.
Eis que chegow um dia, numa noite, em que ele
dormindo, e de olhos bem abertos, calado disse:
–A vida é um mar onde bocejam sustenidas
drosófilas azuis....

O velho


Texto retirado de "O Livro Verde das Verdades" de Cezar Sturba, para download gratuito da obra clique aqui.




4 comentários:

Danillo Araújo. disse...

Opa!... vlw pela visita lá no blog...

Sobre o post...

Sabe, Li umas Cinco Vezes...porém o que eu entendi foi...

que a vida desse velho é um pouco extranha..kkkk

O Importante é o que importa... a ViDa!

abraços e Bom Fim De SeMana.

Clarinhaaa disse...

OPA...

bem...
–A vida é um mar onde bocejam sustenidas
drosófilas azuis....

emfim..
adorei..

rs
bjs

Grupo Tabernáculo disse...

Oi Victor!

Quem está falando aqui é o Danillo Araújo do Blog Viva Com Esperança (www.danillojose.blogspot.com)! Quero te apresentar um dos mais novos blogs que estou fazendo parte!

é o Blog do Grupo Tabernáculo! Gostaria que você desse uma forcinha lá... acompanhando e comentando nas postagens!

Fui Convidado para fazer parte desse grupo e criei esse blog... para todos os meus amigos blogueiros conhecer e nos acompanhar através das postagens...

Um Abraço e que Deus te abençoe.

Bruna disse...

Extremamente subjetivo e "desadaptado" do sistema...lembra um eremita, um monge distante das preocupações "fúteis" de que muits pessoas se ocupam pra preencher sua vida, disfarçando um vazio com alienação, consumismo desenfreado, excessivo apego material. Talvez o velho dê valor às coisas simples...e eu particularmente acho que a sabedoria se encontra na simplicidade!

Boa semana, Rafael.
Beijos.